São Maximiliano Maria Kolbe

Raimundo Kolbe, nasceu em 8 de janeiro de 1894, na Polônia, era filho de família pobre. Seus pais operários humildes, porém ricos de fé e religião, no qual, ele recebeu os princípios da Fé e do amor cristão. Com treze anos Raimundo Ingressou no Seminário dos Frades Menores Conventuais Franciscanos e adotou o nome religioso de Maximiliano Maria.

Ainda como seminarista, manifestava fortemente sua devoção à Virgem Maria, onde fundou um apostolado mariano ao qual deu o nome de Milícia da Imaculada. Concluiu seus estudos na cidade de Roma, onde recebeu o sacramento da ordem em 1918. Depois de ordenado retornou para a Polônia, e passou a lecionar no Seminário franciscano de Cracóvia.

Padre Maximiliano dedica sua vida na elaboração de revistas com os temas da Maria Imaculada onde tinha como proposito de fazer suas revistas chegar a todas as pessoas do mundo. Nos anos de 1936-1940, com a Segunda Guerra Mundial, ele dobrou o zelo no apostolado da imprensa, enquanto cuidava da direção do convento e da formação de 200 jovens.

Frei Maximiliano foi preso duas vezes. A prisão definitiva foi em 17 de fevereiro de 1941, no qual, um chefe militar ficou furioso ao ver o frei vestido de hábito religioso. Maximiliano foi mandado para o campo de extermínio de Auschwitz. Era conhecido como o campo da morte, mais de 4 milhões de vidas foram ceifadas naquele campo.

Com o frei Maximiliano não foi diferente, após a fuga de um dos presos do campo de Auschwitz todos os outros presos foram chamados para o lado de fora em fileiras e na qual o chefe militar deu um limite de horas para o foragido voltar, caso contrário dez deles iriam para a cela bunker da fome, lá eles ficariam até morrer. Passado o limite do tempo o chefe começa a escolher as dez pessoas para ir na pior cela que existia.

Quando o militar escolheu um prisioneiro chamado Francisco Gajowniczek, este se desesperou gritando que não poderia morrer, pois tinha uma esposa e filhos para cuidar, Frei Maximiliano não suportou ver aquela cena e saiu da fila indo em direção ao chefe oferecendo-se para tomar o lugar de Francisco. O comandante pediu quem era ele que queria morrer no lugar do outro e ele respondeu “Sou um padre Católico” o comandante respondeu “aceito sua decisão”.

Ainda nos dias de hoje São Maximiliano Kolbe, está presente na nossa sociedade. Muitas pessoas assim como ele doam suas vidas para salvar as pessoas, e outras que vivem presas por um sistema no qual Maximiliano testemunhou em vida. São muitos os irmãos que por causa da intolerância acabam perdendo suas vidas injustamente sem ter culpa alguma e são torturados e mortos por não estarem na mesma forma que alguns anseiam como perfeição.

Vivemos em uma sociedade onde o ódio está tomando conta e o amor ao próximo está sendo banalizado. São Maximiliano diz para todos nós através de seu testemunho que amar é dar vida, assim como ele doou a sua para salvar o seu próximo e não deixar perder-se a vida do seu irmão. Devemos ter mais tolerância do que intolerância com os nossos irmãos. Portanto devemos ser portadores da Paz, União, Caridade, Tolerância de Religiões e Gêneros e devemos ser portadores do amor que salva todos.

Evandro Luis Siqueira

Aspirante Franciscano

3 visualizações

CONTATO

(51) 9 81934117 (WhatsApp)

(51) 9 91333684

SIGA-NOS E ACOMPANHE

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
Logo_Provincial.png

© 2018 Todos os direitos reservados | Ordem dos Frades Menores - Rio Grande do Sul