Santa Clara: Clara de nome e de vida.

Uma luz à nossa espiritualidade.

Santa Clara e São Francisco foram conterrâneos e contemporâneos. Foi um tempo de mudanças. Do mundo rural aos burgos (cidades), o final do feudalismo. Na Igreja surgem comunidades que visam viver a radicalidade do Evangelho. Os sonhos dos jovens da época poderiam ser grandes, mas o destino era ser um cavaleiro, para os rapazes, ou casar-se com um cavaleiro, para as moças.

Esse seria o destino de Clara. Contudo, Deus inspira novas realidades no cotidiano. Para às mulheres, lhes restava assumir a forma de vida criada por um homem, no caso das beguinas. Contudo, Santa Clara por inspiração divina e do seu irmão na fé, São Francisco, cria uma nova forma de viver o Evangelho. Mesmo na vida monástica, Clara vive em pobreza, com os bens em comum. Isso era um grande desafio, viver num mosteiro sem bens rentáveis para o sustento. Além disso, a vida na clausura, foi uma realidade gradual e que se tornou radical no século XIII. Os papas tentaram interferir na forma de vida das irmãs, mas a espiritualidade feminina não se deixou encerrar e encontrou outros caminhos.

A vida de Santa Clara e suas irmãs é contemplativa, marcada pela via do espelho, no qual se reflete a pobreza, a humildade e a caridade do Filho de Deus. Colocar a alma e o coração no espelho, é colocar-se nas pegadas, no caminho, de Cristo. Por isso, três verbos são fundamentais à Clara: olhar, considerar e contemplar. Olhar: a pobreza de Jesus, a encarnação de Deus. Sair de si e olhar a miséria do outro/a. Considerar: a humildade, o rei envolto em panos na manjedoura. A humildade que é a negação do poder, Clara conhecia o contexto onde vivia (o desejo de dominar)

Contemplar: a caridade. Clara pede que Inês, coloque no espelho a mente, a alma e o coração. Para Clara o coração é o lugar da aliança com Deus.

Quando se fala em contemplação, pensamos em natureza, paisagens, céus estrelados, flores (...). Clara convida para contemplar as realidades desumanas e violentas: no cimento armado, no barulho, na poluição de nossas cidades, num ônibus lotado, nas filas. Mas também as maravilhas, a solidariedade, o cuidado e o zelo pelo próximo. Ela quer nos ajudar, no ordinário da vida, ver o extraordinário de Deus. Buscar entender não só com a mente, mas com o coração. Contemplar é abrir-se ao espírito que renova, transforma e impulsiona ao testemunho.


Frei Jorge Huppes OFM

(Contém anotações de Delir Brunelli. das aulas de Pós em franciscanismo, da Estef de 2017)



11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

CONTATO

(51) 9 81934117 (WhatsApp)

(51) 9 91333684

SIGA-NOS E ACOMPANHE

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
Logo_Provincial.png

© 2018 Todos os direitos reservados | Ordem dos Frades Menores - Rio Grande do Sul